Artigos do Blog

Certo dia, um elefante chegou à cidade pela primeira vez. Um grupo de homens cegos soube da presença do animal e decidiu tentar compreendê-lo pelo toque. Cada um cuidou de uma parte do elefante. O primeiro mexeu na orelha e disse que ela parecia um leque. Outro tocou as pernas e afirmou que havia semelhança com um tronco. O terceiro examinou a tromba e associou a uma cobra.

Nenhum deles chegou à imagem de um elefante e nem a soma de seus achados se assemelhava ao animal.

Esta é uma parábola budista bastante conhecida. Mas por que conto isso logo aqui, num artigo sobre transdisciplinaridade?

Porque ela é uma ótima analogia para lidar com a questão que a transdisciplinaridade levanta. O “todo” de um sistema, normalmente, é maior do que a soma de suas partes.

Disciplinas

Desde a escola, aprendemos por meio de disciplinas bem separadas, com horários determinados para cada uma delas: português, matemática, física, história… E depois, seguimos da mesma forma na universidade e no trabalho.

Só que a realidade é bem mais complexa do que a soma destas disciplinas.

Por exemplo, uma ponte. Para construí-la, basta um bom engenheiro? Talvez. Mas, pense no impacto de uma ponte: ela envolve diversas outras questões, trata-se de uma região com muito fluxo de pedestres ou de carros? De que forma as pessoas se locomovem antes de sua construção? Qual será seu impacto no tráfego, na economia, no meio ambiente, na vida das pessoas?

É possível que engenheiros cheguem à conclusão de que o melhor lugar e forma de construir a ponte sejam um, mas sociólogos ou antropólogos cheguem à conclusão de que sejam outros, e ambientalistas podem chegar a uma terceira conclusão. Provavelmente, um olhar que, através da troca e do compartilhamento, leve em conta todas estas perspectivas chegue a um resultado que nenhuma das partes teria avançado sozinha.

Transdisciplinaridade

Por que isso é importante para o mundo de hoje?

Vivemos uma realidade complexa. Até criamos siglas para isso: o mundo VUCA é volátil, incerto, complexo e ambíguo. Outra alternativa, o mundo BANI, também é uma forma de expressar essa complexidade: Frágil (Brittle), Ansioso, Não-linear e Incompreensível.

O conhecimento compartimentado não dá mais conta de uma realidade que se transforma cada vez mais rápido.

Nós dividimos conhecimento porque isso nos ajuda a aprofundar em um assunto. Não há nada de errado nisso. É claro que a especialização tem um lado positivo. Possivelmente, muitas das grandes invenções da humanidade não teriam sido criadas sem a especialização.

O problema, talvez, resida no fato de nos restringirmos a ela.

Nós tentamos simplificar um mundo complexo. A realidade é complexa, no sentido de que não é possível controlar todos os fatores e determinar seus resultados.

Para lidar com um mundo complexo, além da especialização, precisamos da transdisciplinaridade, que vai além da interdisciplinaridade, porque é uma forma de  ir além da soma das partes.

Pausa

Vamos fazer uma pausa aqui. Respirar fundo. Para muita gente, tudo isso pode parecer demais. Gerar mais ansiedade do que respostas. Afinal, se mal damos conta da nossa especialidade, como lidar com um mundo complexo, com tanta informação e tantas possibilidades?

A ideia da transdisciplinaridade não é que todo mundo saiba tudo. Talvez, aqui tenhamos uma interseção com o lifelong learning – aprendizado ao longo da vida (tempo) – e mais ainda com o lifewide learning – aprendizado por todos os espaços da vida. Tem mais a ver com uma postura de abertura e curiosidade em relação ao mundo do que com saber tudo que se apresenta à nossa frente (o que é também impossível!).

Transdisciplinaridade

Transdisciplinaridade e Aprendizagem Corporativa

Então, de que forma a transdisciplinaridade pode nos ajudar na aprendizagem corporativa?

Penso em dois caminhos complementares: 1. o olhar para a aprendizagem por desafios e problemas e 2. a transdisciplinaridade como uma habilidade

Neste primeiro caminho, a aprendizagem baseada em problemas reais e trabalhada de forma colaborativa, com times multidisciplinares, pode apoiar a transdisciplinaridade. Em outras palavras, trazer um problema real para a mesa e juntar um time de pessoas de áreas e especialidades diferentes para pesquisar, refletir e construir a partir dele de forma aberta é uma estratégia possível.

Neste caso, mudamos a mentalidade de educação baseada em conteúdos previamente determinados, para uma aprendizagem coletiva baseada em situações do mundo real, com toda a sua complexidade.

Outra abordagem é pensar na transdisciplinaridade como uma habilidade. O relatório “Habilidades do futuro do trabalho 2020” apresentou a transdisciplinaridade como das 10 mais relevantes para o profissional desta década.

“O profissional ideal da próxima década é ‘em forma de T’ – eles trazem uma compreensão profunda de pelo menos um campo, mas têm a capacidade de conversar na linguagem de uma gama mais ampla de disciplinas.  Isso requer um senso de curiosidade e uma vontade de continuar aprendendo muito além dos anos da educação formal. Como a vida útil prolongada promove várias carreiras e exposição a mais indústrias e disciplinas, será particularmente importante para os trabalhadores desenvolver essa qualidade em forma de T.”

Então, quando estamos sendo transdisciplinares?

Na minha visão, quando o conhecimento acadêmico formal dialoga com a experiência informal. Quando a curiosidade abre espaço para novos questionamentos que aprofundem e tirem da zona de conforto. Quando nos baseamos em problemas e desafios, não em conteúdos e disciplinas. Para isso, é preciso ir além da visão limitada de que cada um deve atuar e conhecer apenas suas áreas de especialidade. Estar aberto ao novo e ao diferente é essencial.

Resumindo

Para um mundo complexo, pensar em caixas, de forma fragmentada, não é suficiente. A transdisciplinaridade se propõe, a partir da curiosidade, a apoiar a aprendizagem por meio de perguntas, desafios e problemas reais, de forma colaborativa e, muitas vezes, inusitadas e por caminhos novos.

Por Nira Bessler, lifelong learner, especialista em aprendizagem de adultos e apaixonada pelo tema.

Transdisciplinaridade

Transdisciplinaridade

Certo dia, um elefante chegou à cidade pela primeira vez. Um grupo de homens cegos soube da presença do animal e decidiu tentar compreendê-lo pelo toque.

Read More »
23 de maio de 2022
Transdisciplinaridade

Transdisciplinaridade

Certo dia, um elefante chegou à cidade pela primeira vez. Um grupo de homens cegos soube da presença do animal e decidiu tentar compreendê-lo pelo toque. […]
30 de março de 2022

Segurança psicológica: o ingrediente secreto da aprendizagem

Quanto mais erros, pior? Quanto mais erros, pior, certo? Era o que pensava Amy Edmondson, antes de iniciar uma pesquisa que mudou sua perspectiva sobre aprendizagem […]
17 de fevereiro de 2022

O cérebro é preditivo. O que isso tem a ver com treinamentos?

Vcoê é cpaaz de ler etse txteo com lteras torcdas ou msm sm algms ltras? Agora pensa em um chocolate quente bem cremoso fumegando na caneca. Você já sente um leve gostinho só de ler essas palavras ou pelo menos deu água na boca? Por que isso acontece?
3 de fevereiro de 2022

Metaverso – A internet do futuro

Você sabia que a vida como conhecemos hoje, está prestes a mais uma vez ser revolucionada pela tecnologia?Isso graças a uma das grandes tendências para 2022: […]
10 de dezembro de 2021

Monstros no Trabalho é sobre Reskilling

  A Pixar lançou recentemente uma nova série de animação no streaming Disney+. O tema: upskilling e reskilling. Obviamente, a sinopse declarada não é essa. Mas, com […]
4 de novembro de 2021

E se aprendêssemos como crianças?

  Tenho uma filha de 2 anos e meio. É fascinante para mim, uma apaixonada por aprendizagem, acompanhar o desenvolvimento dela dia após dia. Acho lindo quando […]
29 de outubro de 2021

Segurança da Informação – Consciência e comportamento

  Este provavelmente, será um dos artigos mais breves que escreverei, no entanto, seu tamanho em palavras não minimiza seu tamanho em importância, considero o assunto […]
22 de outubro de 2021

Segurança da Informação – Ataques Oportunistas

  Acredite, prestes a escrever este artigo eu recebi uma mensagem de voz de um dos meus melhores amigos, dizendo, “Marcos, você vai brigar comigo, eu caí […]
15 de outubro de 2021

Lei Geral de Proteção de Dados – Responsabilidades Adjacentes

  Acredito que você, sim, você mesmo que está lendo este artigo, tenho certeza de que em algum momento da sua vida você tenha recebido uma ligação […]
Buy now